Autorretratos do 8ºC

23-01-2012 10:47

A minha auto-caraterização

Olá! O meu nome é Helena e tenho 13 anos! Posso começar por dizer que sou divertida, amiga dos amigos e muito compreensiva; em certos assuntos sou honesta, sou muito teimosa e por vezes competitiva.

Para mim o mais importante são os amigos e a família, dizendo assim da maneira mais simples!

O que mais gosto de fazer é animar os que me rodeiam e não suporto que me ofendam, a mim ou aos meus entes queridos, como já dissera há pouco, amigos e família.

Sou bastante sensível, seja com situações tristes ou alegres: falando nas situações tristes, por vezes basta uma palavra para me ofenderem, do que um simples gesto físico, porque debaixo desta máscara brincalhona e divertida há um coração que sente, que ama e que guarda as pessoas mais importantes.

Não posso deixar de dizer que gosto muito de ajudar e por vezes sou mais amiga daqueles que mais me desprezam, sendo assim rejeitada e olhada de lado, mas isso a mim não me afeta porque apesar de tudo sei que tenho alguém que me ama e que me aceita como sou, nem que seja uma só pessoa.

Normalmente as pessoas que me conhecem, recentemente, demoram algum tempo a compreender-me, isto porque tenho um feitio complicado, que com tempo se torna uma feição calmo e compreensivo.

Por vezes, quando a vida me corre menos bem, descarrego naqueles que amo, sendo por vezes injusta e egoísta!

“Sou como sou e não como os outros querem que eu seja”: esta frase enquadra-se perfeitamente na minha pessoa e utilizo-a em casos óbvios!

Brincando um pouco com a minha pessoa, posso dizer, em termos físicos, que sou pequenita, tenho uns olhos castanhos sou morena com um cabelo completamente rebelde e desobediente, tal e qual como a dona! Tenho um nariz pequeno e engraçado e posso dizer que sou magricelas, por assim dizer!

Tenho um medo de gafanhotos que não cabe na cabeça de ninguém, ou melhor, a minha mãe também tem mas não quer dizer que eu também tenha: meu Deus, herda-se cada coisa!

Relativamente ao passado, uma vez, no carnaval, mascarei-me de palhaça e perguntei-me a mim mesma se aquilo era um disfarce, então resolvi ir com uma roupa casual e ser eu mesma!

Helena Quina  8ºC 

 

O meu retrato

“-Bem… Para ser sincera, a dizer sobre mim existe muito…

Chamo-me Isabel, tenho 13 anos, o meu cabelo tem caracóis e é castanho, assim como os meus olhos. E agora começa a parte relativa à minha forma de ser…

Sou divertida e adoro brincar com as pessoas. Gosto de fazer amizades e a minha base são os meus melhores amigos cujos nomes são: André, Carolina, Catarina V. e Margarida F. A realidade, por vezes, tem maneiras de ser infantis, e aí vem a parte da minha paciência. Como já disse, adoro brincar mas acho que há limites. Existem momentos que são mais tristes e a minha paciência não estica. Depois acabo por descarregar em cima dos que me querem bem, sendo casmurra. Sou muito sensível. O meu ponto fraco é quando vejo alguém de quem gosto com os meus rivais, sim, porque toda a gente tem rivais, sejam muitos ou poucos. Por tudo e por nada me vem uma lágrima ao olho. Tenho um lema: “Sou amiga de quem quer ser meu amigo”. E quem não quer, paciência! Pouco me importa. Claro, se for alguém por quem eu sinta carinho é óbvio que me afeta e não vou desistir dessa pessoa. Não costumo descer ao baixo nível de algumas pessoas, mas é o que por vezes acontece, mesmo sem nós querermos. Mudando um bocadinho de assunto, Amo representar peças feitos por mim. Amo miminhos. Adoro compreender o que as outras pessoas sentem e poder dar conselhos, mesmo errados. Adoro falar sobre os problemas de Portugal que hoje em dia são muitos graves. E, claro, AMO a minha família. Somos muito unidos e divertidos. Foi a minha família que me ajudou a ser a pessoa que sou hoje, e os meus amigos também, como é óbvio. Com estas pessoas aprendi muito… Falando de mim num estado caricatural é difícil, mas nada que eu não consiga fazer. Para cair sou uma desgraça. Quando sonho que estou com rugas acabo por acordar assustada comigo mesma. Por vezes sonho que tenho as unhas enormes, os dedos dos pés gigantes e uma cabeça minúscula, um nariz cheio de macacos, e umas orelhas cheias de cera, que tédio… Bem acho que já disse alguma coisa, os meus sonhos mais cómicos, a minha caricatura e a minha forma de ser…”

     Isabel Santos nº11 8ºC

 

 

 

Autorretrato com sotaque carioca

(o) Meu nome é Raul Leonardo Bueno, tenho 14 anos, cabelo castanho-escuro e olhos da mesma cor.

Eu sou uma pessoa alegre, divertida e gosto que os meus amigos dêem risadas de mim (se riam de mim), assim fazendo de mim as suas fontes de alegrias.

Às vezes, os meus amigos não entendem o que eu digo e quando eu conto uma anedota é pior ainda: até parece que estou falando chinês ou algo assim.

Eu sou invejoso, egoísta, medroso, mentiroso e também tenho o dom de pensar coisas e depois conseguir fazê-las. Por exemplo, penso em fazer um baloiço, uma catapulta de atirar coisas ao ar, etc.

O meu maior medo é o de “residente evil”: não sei se pode haver um dia e acordar e todo mundo (toda a gente) virar (transformar-se em) zumbis, e o mesmo se passa com o jogo do Saw, e eu  acordar numa casa de banho, cheio de sangue e um palhaço me pedindo para arrancar uma parte do meu corpo para sobreviver; e também tem (há) o Fred Kruker, um homem feio com as unhas grande te ameaçando (a ameaçar-te).

Eu também tenho uns segredos, mas vou contar: coloco creme no rosto, não sei fazer minha barba, e ainda durmo com urso e, quando tinha 2 anos, comia creme de rosto.

Raúl Bueno, 8ºC

 

Caracterização Pessoal

Começando pelos defeitos, aqueles que ninguém suporta em ninguém. Mas que todos temos de aceitar, apesar de tudo.

Sou muito teimosa, quando digo que não, ninguém me tira da cabeça a minha decisão. Isso é algo que em casa irrita bastante os meus pais: quando começo a falar é difícil calarem-me, mas quando estou num momento menos bom, prefiro não falar.

Sou de fases: num dia mudo mais de 5 vezes de humor. Não gosto de me zangar com as pessoas de que gosto, mas quando me irritam, demoro muito a perdoar-lhes.

Outro defeito, que para mim é uma qualidade, embora insistam que é defeito, pois por vezes afeta muitas pessoas, é o de não deixar nada por dizer. Não sou de falar por trás, digo o que tenho a dizer na cara das pessoas. Se gostarem de ouvir gostam, se não gostarem, paciência! É a minha opinião, todos temos direito a tê-la e dá-la.

Mas agora, passando às qualidades.

Sou amiga dos meus amigos, faço o que puder por eles. Vivo para a minha família, nela tenho grandes exemplos de vida que tento seguir.

Quando gosto de um pessoa, gosto mesmo, mas quando não gosto, não vale a pena tentarem fazer-me mudar de ideias.

Das coisas de que mais gosto de fazer é de dar conselhos às pessoas de quem mais gosto.

Não sou uma pessoa de demonstrar muito os meus sentimentos – as pessoas de quem mais gosto, sabem o que valem para mim. Porque apesar de não o demonstrar por palavras, os meus olhos dizem tudo.

E além disso, para mim, um gesto vale mais do que qualquer palavra.

 

Teresa Ramos, nº 22, 8ºC